Portugal, Viagem

36 horas em Braga, Portugal

É muito fácil visitar Portugal. Pensa comigo: o custo de vida é dos mais baixos da Europa. A comida, os vinhos e os doces são excelentes. É o país europeu com o menor custo de passagem aérea saindo do Brasil e viagens diretas via TAP (recentemente adquirida pela Azul) para Lisboa e Porto. A idéia de que Portugal é “viagem de velho” é bobagem: algumas das universidades mais antigas do continente enchem de vida cidades antiquíssimas como Coimbra e Évora. É uma viagem e tanto para quem pira em história, em turismo de aventura, gastronomia, artes ou compras.

É difícil acreditar que brasileiros não viajem muito mais por Portugal. Não que façamos pouco, não. No ranking de visitantes, estamos atrás dos espanhóis (único país com que Portugal faz fronteira) e ingleses (para quem o Algarve, no sul, é uma opção barata e atraente de veraneio). O problema, e escutei isso de uma agente de turismo lusa, é que o brasileiro usa Lisboa como parada estratégica para seguir para a Espanha ou França. E acaba perdendo a oportunidade de conhecer o país por dentro, uma pena. Pegue por exemplo o belo, selvagem e acessível norte de Portugal, dividido em Minho ao oeste e Trás-Os-Montes no leste. De carro a partir do Porto leva uma hora e pouco para chegar até a divisa com a Espanha. No meio do caminho, cidades como Braga, Guimarães, Viana do Castelo e Ponte de Lima são paradas incríveis para um fim-de-semana.

No começo de junho estive visitando o Minho pela segunda vez. Na primeira usei Ponte de Lima como base e dessa vez fiquei em Braga, perto do Porto, um tipo de capital espiritual lusa com acesso à diversos santuários históricos e naturais. É onde está a catedral mais antiga do país e foi centro do bispado de Portugal por séculos. A Santa Cruz que Cabral usou na primeira missa na recém-descoberta Índia Ocidental, por exemplo, está lá. A mais festejada Semana Santa do país também. Alugando um carro, é a cidade ideal para programar uma escapada pra conhecer o norte do país, onde você vai encontrar cenários dramáticos, caminhadas em estradas romanas e refeições gordas com produtos locais – presentes da generosa natureza lusa.

* Links do simpático BragaCool, que tem roteiros espertos da cidade e oferece mapas, telefones e horários de funcionamento de todos os locais indicados.

Sexta-feira, tarde

A imponente Sé de Braga é algo que você não vai perder. Catedral mais antiga de Portugal, é ponto principal do forte turismo religioso do norte do país. Dá pra gastar um bom par de horas vendo o altar, a capela gótica, os dois orgãos (que são usados nas missas), a capela com azulejos pintados de azul. A tal cruz usada por Cabral fica dentro do tesouro, numa entrada separada, junto a outras peças de valor inestimável. Para visitar o coro, que dá acesso a duas outras capelas, é necessário comprar uma visita guiada (disponível no local) que custa €2.

Saindo da Sé, aproveite o resto da tarde para explorar o centro antigo de Braga, que é limpo, organizado, fácil de explorar e cheio de vida. E com o tempo bom é ideal para caminhar no meio pro fim da tarde e se perder nas ruas limpas e esplanadas, andando oude bici – a Go by Bike aluga.

A Fonte do Ídolo, por exemplo, é uma antiga e preservada fonte do período romano. O Museu Dom Diogo de Sousa guarda tesouros arqueológicos do paleolítico aos Visigodos que ocuparam a região entre os séculos V e VII. O Museu dos Biscainhos vale só pela locação espetacular, é um palácio com relíquias romanas, azulejos e painéis históricos.

Centro de Braga no começo de noite.

Centro de Braga no começo de noite.

Saindo da seara histórica, o GNRation é uma incubadora que recebe arte moderna, shows de jazz e performances teatrais. E o belo Museu da Imagem realiza mostras de fotografia. Termine com uma parada na Livraria Centésima Página, que ocupa um casarão barroco e tem um jardim delicioso. Ou com chá e docinhos no Cores de Chá. Ou com uma prova de vinhos portugueses na esplanada na frente da Sé, onde você vai achar o Encantos da Minha Terra.

Mas guarde espaço para jantar! Estamos no norte de Portugal e encher a barriga com comida pesada e deliciosa é uma obrigação moral e não faltam restaurantes ótimos na área. Minha sugestão para seu primeiro jantar em Braga: Taverna do Migaitas. Você pode passar horas se deliciando com porções de embutidos, queijos, pataniscas de bacalhau, miúdos e afins. Ou pedir um dos pratos de carne de caça, acompanhado de ótimo vinho verde do Minho – que pode ser branco (leve, fresco e ácido) ou tinto (forte e escuro, eu adoro, mas tem quem considere “um gosto adquirido”).

Um drink encerrar a noite? Port & Tonic na Casa dos Coimbras, colado na Sé.

Imagem da Semana Santa, o principal feriado religioso em Braga. (Foto: Sérgio Freitas/MinhoIN)

Imagem da Semana Santa, o principal feriado religioso em Braga. (Foto: Sérgio Freitas/MinhoIN)

Sábado, dia inteiro.

Comece o dia numa pastelaria (o equivalente da nossa confeitaria) como a Ferreira Capa, com direito a pastéis de nata, folhados recheados e pães doces acompanhados de café com leite.

Sua próxima parada é único Parque Nacional do país, o Peneda-Gerês, criado em 1971. Vai da Serra do Gerês, ao sul, até a Serra da Peneda, na divisa com a Espanha. O parque tem dezenas de trilhas de diferentes graus de dificuldade, sempre bem marcadas. Algumas das antigas geiras romanas continuam em uso, com direito a minaretes escondidos no caminho. A entrada mais próxima de Braga é a de Terras do Bouro. O site GoToPortugal vende um guia bem detalhado do parque, em PDF por email.

Quando a fome estiver batendo, atravesse a represa de Furnas e suba rapidamente até a minúscula Brufe para almoçar no O Abocanhado. Construído com pedras e vidro e totalmente integrado à paisagem, esse restaurante premiado fica no ponto mais alto da serra. Há vinte minutos está a Espanha. Logo ali, Trás-Os-Montes.

Recomendo vinho verde tinto, um prato da deliciosa carne vermelha local, sobremesa indicada pela queria Maria Helena e um bom cochilo pós-refeição debaixo da árvore, mirando a paisagem. Conselho: entre em contato antes para checar o funcionamento, já que durante o inverno pode haver alteração nos horários ou cardápio.

Essa foto foi tirada na frente do Abocanhado, exatamente depois de ter uma refeição como a que descrevi acima. Pareço feliz?

Essa foto foi tirada na frente do Abocanhado, exatamente depois de ter uma refeição como a que descrevi acima. Pareço feliz? (foto: Emanuele Siracusa)

Brufe é só um entre os vilarejos do norte de Portugal. Só no Gerês são cerca de 100, com ruas estreitas e vazias, casas de granito, fontes de água limpa ao ar-livre, relógios de sol e senhoras olhando o tempo passar pelas janelas. É a lembrança de um Portugal que está deixando de existir aos poucos, conforme jovens abandonam as vilas na direção das cidades. Elas vão deixar de existir? Não sei dizer. E espero com todo coração que não.

Em cerca de meia-hora de viagem de carro você já estará de volta a Braga. Seu fim de tarde pode ser na bonita Praça da República, cercada por lojas, bares e cafés, uma delícia no fim de tarde. Esse é o centro vivo da cidade, onde grupos se encontram e estudantes se reúnem nos finais de semana. Se quiser estiver a fim de ir noite adentro, que tal drinks num terraço com vista para a cidade velha? Também vale consultar a programação do Juno.

Por dentro do mosteiro

Por dentro do Mosteiro de Tibães.

Domingo, manhã e almoço

Um café para começar o dia no simpático Lusitana, num jardim perto da Avenida Central, um dos mais antigos de Braga.

Se você der sorte de pegar o primeiro domingo do mês na cidade, visite a Feira da Velha (corruptela para mercado de pulgas ou feira de antiguidades) logo de manhã. Quando estive na cidade não consegui encontrar, apesar de ela estar funcionando. Então use esse mapa do VerPortugal para não se perder como eu.

Ou então aproveite a luz da manhã para conhecer o Mosteiro de Tibães, colado em Braga. O mosteiro do sec XI é parte de um complexo que inclui uma igreja. Hoje é usado para eventos (como o Minho Festival) e festas (como as julinas, rolando agora!) e tem um restaurante e uma hospedaria pequena e charmosa, com apenas nove quartos.

Depois, vá ver a escadaria de Bom Jesus do Monte. Lembrou Tiradentes ou Ouro Preto vendo a foto abaixo? Faz sentido. A igreja principal do santuário de Bom Jesus é do séc XVIII, assim como a maioria das construções das nossas cidades históricas que ainda resistem.

A escadaria da Igreja de Bom Jesus: para pernas fortes. (Foto: MinhoIN)

A escadaria da Igreja de Bom Jesus: para pernas fortes. (Foto: MinhoIN)

Se você não tem que pagar promessa subindo a pé, saiba que dá pra subir de elevador. E não num simples elevador, mas num elevador movido à água, construído em 1882, o mais antigo do mundo em atividade. O blog Viaje Comigo tem um vídeo que mostra a subida.

Depois, se o dia estiver bom, eu aproveitaria o lindo parque ao redor para fazer como as famílias locais: levando toalha e cesto com delícias (que você pode comprar antes em Braga, tipo no Mercado da Saudade) e fazendo um piquenique.

Ou dê seu tchau! para a região com um almoço de rei na grandiosa Pousada Mosteiro de Amares, que está há menos de meia-hora de distância.

Como circular e onde ficar

Quase não há trens e as opções de ônibus são poucas. É possível ir, por exemplo, de Braga para Bom Jesus ou Tibães com facilidade. Mas o Peneda-Gerês e as vilas, só de carro. As estradas portuguesas são ótimas e bem-sinalizadas, então a melhor opção é e alugar um carro no Porto e chegar motorizado.

Braga é a terceira maior cidade de Portugal e tem hotéis para todos os bolsos e gostos. E como a vida aqui gira em torno do centro, recomendo um hotel próximo à Sé. Passei meu fim-de-semana no hotel Bracara Augusta (que é o nome de Braga quando capital da Galícia romana) no centro histórico, vizinho da Centésima Página. Tem apenas quatro andares, as suítes são pequenas e confortáveis, com belas janelas que recebem luz do sol – peça um quarto de frente para a praça. O restaurante no térreo é ótimo e tem um jardim. Mesmo você não fique aqui, dá para vir tomar um ótimo café-da-manhã ao ar-livre.

Detalhe do Bracara Augusta.

A photo posted by Gaía Passarelli (@gaiapassarelli) on

Vai lá

http://www.minhoin.com/
http://bragacool.com/
http://www.essenciadominho.com/
http://www.afar.com/travel-guides/portugal/braga/guide
http://www.lonelyplanet.com/portugal/the-north/braga/sights

Hotéis em Braga e região no TripAdvisor
Hotéis em Braga e região no Pestana

* Estive em Braga a convite do MinhoIN em maio/2015, visitando alguns dos locais mencionados nesse post.
** Imagem de destaque: o centro de Braga em aquarela pelo francês Guy MOLL / https://flic.kr/p/dwbtLY