Portugal, Viagem

Brufe. População: quase ninguém.

Não é um nome que você precise guardar. Você não vai ver Brufe naquelas listas de “destinos imperdíveis”. Você não vai ler um “quinze motivos pelos quais Brufe deveria estar na sua bucket list”. Muito menos um “quinze atrações off the beaten path em Brufe”.  Mas dava um livro, tipo sobre uma família portucalense que volta para a vila de onde os antepassados vieram, ou uma moça que reencontra o amor nos braços de um pastor galã ou um homem de meia-idade que reforma uma antiga propriedade e começa a fazer vinho. Você sabe, algo desse tipo.

Com uma população de menos de cinquenta pessoas, Brufe tem status aldeia e fica no distrito de Braga. Cerca de vinte minutos de carro na direção norte está a Galícia espanhola. Ao leste, a região de Trás-Os-Montes. Ao oeste, a bonita Ponte de Lima. Uma viagem de hora e meia de carro é suficiente para chegar ao Porto e Vila Nova de Gaia. Pela região se encontra de lápides celtas à estradas romanas, passando por relíquias histórico-religiosas (a cruz usada por Cabral na primeira missa, por exemplo, está na Sé de Braga) e hospedagens esquema rústico-chique de turismo rural. O norte de Portugal, que se orgulha de ser berço da nação, tem de tudo um pouco e é facílimo de alcançar.
Brufe, Braga, Portugal

Casas de granito e esse céu: bem-vindo a Brufe.

 Ali fica o Portugal profundo. Os vilarejos ao longo dos rios Cávado e Homem começaram a esvaziar no começo do século passado, num êxodo aumentado com a chegada de novidades como televisão e estradas. Hoje, chega-se ali pela mesma estrada construída durante a ditadura de Salazar, que levou gente embora. É uma estradinha estreita e bem asfaltada, que passa cortando montanhas e por onde não passam ônibus, só peruas de transporte escolar e carros particulares. Num momento encontramos um pastor tocando um rebanho de ovelhas. A pequena Brufe se contenta em ficar no caminho. É tão pequena que se você piscar perde as casas de granito, os espigueiros encimados por cruzes ou os relógios de sol.
(suspiros)

(suspiros)

O que leva pessoas (sim, elas vão!) até Brufe é o excelente O Abocanhado, no topo da serra de Gerês. Poucos pratos, todos baseados em embutidos e carne de gado barrosã local, ou javalis selvagens. Os favoritos de Maria Helena, a dona do restaurante, são as sobremesas, incluindo uma mousse de chocolate cremosa e com a doçura certa que ela mesma faz. Vem acompanhada de framboesas e mirtilos colhidos nos campos ali perto. O salão é todo de vidro e dá para um deck e uma vista espetacular, com poucas casas escondidas em vales e colinas. “As pessoas vêm aqui e querem ficar”, conta Maria Helena. É fácil entender porque, principalmente depois de tomar uma garrafa de vinho verde do Minho vendo o sol cortar o céu devagar. A calmaria de Brufe é para quem gosta de coisas como longos silêncios e caminhadas nas montanhas.
Maria Helena e seu pedacinho de céu.

Maria Helena e seu pedacinho de céu.

Maria Helena não recebe mais gente porque não há onde. Até existe uma hospedaria e hotéis em vilas próximas, mas isso faz de Brufe passagem. Quem quer ficar ali encontra quartos para alugar numa antiga casa de granito. Mas é preciso vir de carro e trazer tudo que for usar. Não há um café, uma tasca ou mercearia para jogar conversa fora. Tirando o pessoal do restaurante da Maria Helena, o pastor na estrada, um casal de trilheiros e duas senhoras sentadas na frente de uma casa, não passou mais ninguém.
Brufe, Braga, Portugal
Ali vive tão pouca gente que me pediram para não divulgar o número exato de moradores. Maria Helena planeja no futuro construir uma pousada. O terreno ela já tem. O projeto deve ser eleito por meio de um concurso entre jovens arquitetos – o restaurante é premiado por sua arquitetura elegante em harmonia com o ambiente. Mas depois de construído, quem vem trabalhar nesse lugar? Ela procura candidatos para viver ali e ajudar a tocar o negócio, fazendo um pouco de tudo.
Meu tipo de lugar.

Meu tipo de lugar.

Brufe, Braga, Portugal
* Estive em Braga a convite do MinhoIN em maio/2015, visitando alguns dos locais mencionados nesse post. Você pode ler mais sobre essa viagem aqui.