Viagem

O mundo paralelo dos carimbos de passaporte turísticos

Por motivos óbvios, o bem mais valioso do viajante é seu passaporte. É o único item literalmente imprescindível para viajar. Todos os outros são contornáveis – até dinheiro. Alguns passaportes são mais bonitos ou mais poderosos que outros, é claro. Mas além de essencial, seu passaporte, também é um objeto bastante charmoso, com seu jeito de livrinho que conta várias histórias. Carimbos de fronteira não raro são alvo de orgulho, ou curiosidade.

Entra aí os carimbos não-oficiais, ou turísticos, de pontos de interesse histórico e/ou geográfico, micro-nações e estados independentes, tipo Machu Picchu (território do Peru), a Ilha de Páscoa (Chile) ou o Rochedo de Gibraltar (Espanha).

Conheça abaixo alguns dos mais legais. E quem acha que manja dos carimbos de passaporte está convidado a mostrar serviço nesse quiz da Matador Network.

Alasca, EUA

Foto: Ruksana Hussain

Foto: Ruksana Hussain, TravelerAndTourist / Depois da Antártica, esse é o carimbo mais gelado da lista – Poker Creek, população: dois agentes de fronteira e só. Dá pra ler o relato no blog da Ruksana.

Checkpoint Charlie, Berlim, Alemanha

Pode turistar sim. #Europopeia

A photo posted by Michael Szmulewicz (@michael.szmu) on


Foto: Michael Szmulewicks via Instagram / Antiga divisa entre Berlim Oriental e Ocidental, Checkpoint Charlie não é dos lugares mais agradáveis, mas tem importância. Aqui tem um post dos amigos do Fotostrasse explicando em detalhes a história e por que você não deve visitar o Checkpoint Charlie.

Port Lockroy, Antártica

Foto: Cynthia Drescher, JetSetTcd via Instagram / A Antártica é única em diversos aspectos: um continente que não tem país e onde não vivem residentes humanos, mas cientistas e visitantes. Não à toa, é um carimbo que dá orgulho de ser conquistado, tanto que existem diferentes versões, dependendo da estação científica por onde o visitante chega. Esse é de Porto Lockroy, a estação do Reino Unido em Anvers Island. Aqui tem outro, do Chile.

Ushuaia, Argentina

Foto: Eva

Foto: Eva Terrón, Una Idea, Un Viaje / Esse é um dos muitos carimbos que a Eviña Terrón, da Galícia, colecionou durante uma espetacular viagem ao redor do planeta em 2015. Nesse post ela dá dicas ótimas para quem vai conhecer o fim do mundo.

Ilha de Páscoa, Chile

Para enfeitar seu passaporte com esses três moai em tinta azul, basta leva-lo na única agência de correio da Ilha de Páscoa, fica na rua principal de Hanga Roa, no meio do Oceano Pacífico, a cinco horas de voo de Santiago do Chile. Não é fácil, mas vale a pena.

Coréias e DMZ

Foto: Oscar Augusto Neto/Viajoteca

Foto: Oscar Augusto Rihsc, Viajoteca / Esse é um carimbo peculiar: A Zona Desmilitarizada da Coréia é uma faixa de segurança entre as Coréias do sul e do norte, com quatro quilômetros de largura. Está estabelecida desde a década de 1950 e é uma área super controlada, de onde o único souvenir a trazer é mesmo o carimbo. Mais Coréia no Viajoteca aqui.

Rochedo de Gibraltar, Espanha


Foto: Liz Burnham, BackPackAndBook via Instagram / Localizado no extremo sul da Península Ibérica, Gibraltar fica geograficamente na Espanha, mas é um território ultramarino administrado pelo Reino Unido. Na teoria quem atravessa de um lado para o outro está mudando de país, na prática só os (muitos) turistas que visitam o rochedo pedem para ter o passaporte carimbado.

Galápagos, Equador


Foto: Travel Eater via Instagram. / O Equador tem outros carimbos especiais, incluindo o do “meio do mundo” em Quito. O do Parque Nacional de Galápagos não podia trazer outra estampa que não a da tartaruga gigante que é sinônimo do arquipélago.

Hell, Ilhas Cayman

Foto: Sandra Foyt

Foto: Sandra Foyt, GetAwayMavens / O carimbo mais legal que já ví é o diabinho das Ilhas Cayman. O lugar mesmo não é nada demais: um pedaço de paisagem do tamanho de um campo de futebol dominado por lava vulcânica negra, impossível de caminhar mas que se transformou em atração turística. Hell, Ilhas Cayman, tem um bar chamado “Inferno”, homens vestidos de diabo para tirar fotografias e um posto de correio de onde se pode mandar cartões postais espirituosos. Leia mais sobre no Atlas Obscura.

One Foot Island, Ilhas Cook

Foto: Oscar Augusto Risch, Viajoteca / Pensa num paraíso. As 15 ilhas que formam o pequeno arquipélago Cook, na Oceania, têm todos os clichês de paraíso tropical: mar azul cristalino, coqueiros que se esticam preguiçosamente sobre a areia branca, drinks coloridos enfeitados com guarda chuvinha. Uma de suas ilhas, a One Foot Island (por causa do formato de pé da ilha) é famosa por um extenso banco de areia onde maré baixa é possível caminhar para dentro do oceano. Tem um dos menores postos de correio do mundo, e só lá é que dá para pegar esse carimbo. Leia mais no Viajoteca.

Israel

Foto: Vanessa Rozan

Foto: Vanessa Rozan. / O carimbo de Israel determina uma fronteira geográfica, é verdade. Mas é normal viajantes optarem por não carimbar o passaporte na entrada do país (é totalmente legal, leia nesse post do The World By Fon). O motivo é que muitos países árabes impedem a entrada, ou pelo menos dão uma canseira, naqueles que carregam o carimbo de Israel no passaporte.

Lago Titicaca, Peru

Foto: Brianne Miers

Foto: Brianne Miers, A Traveling Life / O carimbo é privilégio de quem visita a comunidade flutuante do povo Uros, no mais alto lago navegável do mundo. A Brianne Miers, do blog A Traveling Life, esteve na “gringo trail” do Peru durante dez dias, visitando o deserto de Cesna, mais Lima, Puno, Machu Picchu, Cusco e Arequipa. Mais fotos aqui.

Machu Picchu, Peru

Foto: Livia Aguiar

Foto: Livia Aguiar, eusouatoa.com / A antiga cidade sagrada dos incas tem um dos carimbos turísticos mais famosos do mundo, e faz todo sentido, uma vez que entrar pelos portões de Machu Picchu é mesmo como entrar em outra civilização. A foto é da blogueira Livia Aguiar, do eusouatoa.com.

EXTRA: 3 carimbos especiais que eu não tenho e queria

O dessa cidade em Wales com o nome mais longo do mundo (veja no Atlas and Boots)
O carimbo fictício da Palestina (leia no 360 Meridianos)
O gelado carimbo de entrada em Vladivostok (leia no Not a Ballerina)

Leia também

O caminho sem volta de Machu Picchu
Nove coisas que você só pode fazer na Ilha de Páscoa
Kanyakumari, o extremo sul da Índia.