Livro, Prosa

Como irritar um livreiro

Gato Preto Livraria

Você tem vontade de largar tudo e trabalhar numa livraria? Eu tenho. Viajo na idéia de passar o dia fazendo nada e lendo livros que nunca vou ter em casa, ignoro que parte do trabalho envolve carregar caixas e pilhas de edições pesadas. Enfim, daí leio o blog da Hillé e a vontade passa. E foi pensando nela que fiz a lista abaixo.

1. seja rude
Vale pra vida toda e nem deveria ter que entrar em lista alguma. Mas você já viu como algumas pessoas se comportam com funcionários do comércio? Então não custa lembrar: trate os outros como gostaria de ser tratado e fale com as pessoas como faria com um convidado em sua casa. Pronto, você já é uma pessoa melhor.

2. não tenha a mínima idéia do que está procurando 
“Eu quero um livro daquele cara… acho que tem ‘vento’ no nome… ou é ‘chuva’? Não sei, mas ele apareceu na TV semana passada, você viu? Ah, foi muito bom. O autor é um homem, a capa é meio branca assim com amarelo… sabe qual?”

3. nunca aceite sugestões
É mais ou menos que nem guarda-roupa: você está cercado de opções e não sabe o que quer. Tudo bem. Você pode só querer um livro novo, sem saber qual. É pra isso que serve o livreiro, uma pessoa que ajuda o livro a encontrar seu leitor. Então que tal não bancar o sabichão e dar um voto de confiança? Normalmente eles sabem do que estão falando.

4. interrompa um telefonema
O livreiro está no telefone? Acredite, a chance é que a pessoa do outro lado da linha não é um BFF. Espere sua vez. O mesmo vale para quando o livreiro estiver falando com outro cliente.

5. troque livros de lugar
Parece que não, mas os livros têm uma ordem nas estantes. Se você pegou uma porção para manusear, ver, ler uns trechos e não vai levar, deixe em cima do balcão. E se você é um escritor publicado e está pensando em mudar seu livro para um lugar onde ele possa ser mais visto… não.

6. Ignore o aviso de ‘esgotado’
Você pediu o livro, o livreiro consultou no sistema e pediu desculpas dizendo que está esgotado. Isso significa que a editora não publica mais o título. Não há uma cópia para comprar na loja, nem debaixo da mesa, nem no porão. Não dificulte. Não é o fim do mundo. Existem lojas de livros usados, existe o Google, o Estante Virtual. Não peça para o livreiro, que não tem nada a ver com isso, resolver o seu problema.

7. Espere o inesperado
Eu sei que é cada vez mais comum que grandes lojas ofereçam DVDs, CDs, brinquedos, jogos de xadrez, artigos de papelaria, salteñas bolivianas e cafezinho. Mas, pensa, quando você quer um sapato vai na sapataria. Remédio? Farmácia. Peixe fresco? Peixaria. Livros? Livraria! Descomplique, não espere que a livraria do bairro venda fones de ouvido. É pra isso que serve a FNAC.

8. Deixe as crianças sozinhas na loja
Elas serão vendidas para o circo. Ou pior.