Música

Cinco momentos bem mais ou menos da carreira de Bowie.

Como todo fã, eu também pensei em fazer uma lista de grande momentos de David Bowie. Desisti quando li essa ótima lista ótima lista do Stereogum -> 20 Great David Bowie Moments. Imbuída então de menor responsabilidade, me contentei em fazer uma listinha curta e altamente pessoal dos momentos Bowieanos que nunca me convenceram.

1. “Laughing Gnome”, o dueto

Quem acha que absolutamente tudo que Bowie fez na vida foi incrível, fodão e genial pode não conhecer bem o começo da carreira dele, que é meio folk e perdido.

“The Laughing Gnome” é dessa fase.

É uma musiquinha simpática que até começa bem. Mas daí aparece o gnomo do título (o próprio Bowie com a voz acelerada) e… bom, ouça você mesmo.

2. Tonight, o disco

É o primeiro disco lançado depois do Let’s Dance e se o resultado parece preguiçoso e apressado é porque, bom, é porque é isso mesmo. Justiça seja feita, “Blue Jean” é uma das grandes músicas do Bowie nos anos 1980 e “Loving the Alien” continua brilhante. Só a música. O clipe, nem tanto. Aproveita para ler esse bom ranking de discos do Bowie, do pior para o melhor, pelo site diffuser.fm.

3. Dancing in the Street, o videoclipe

A única parte boa desse dueto é que eles se divertiram gravando.

4. Absolute Beginners, o filme

O currículo cinematográfico de Bowie tem boas escolhas (O Homem que Caiu na Terra, Fome de Viver, O Grande Truque) mas também tem Absolute Beginners.

Musical inspirado na cultura de rua de Londres dirigido por Julien Temple, o filme tem uma trilha sonora ótima (leia nesse post) mas é tão desinteressante que nem a presença de Bowie ou da cantora nigeriana Sade Adu o salvaram do fracasso.

Agora essa música, putaquepariu, por essa música nós perdoamos tudo.

5. Earthling, a fase

Sou só eu acho detestável o período drum and bass do Bowie? Sim, só eu, #diferentona, eletrônica true, questionadora.

É verdade que “I’m Afraid of Americans” (com o Trent Reznor) é uma boa música. É verdade que o figurino da tour é do Alexander McQueen e se tornou tão icônico quanto os macacões coloridos do Bowie setentista (mais sobre isso nesse post). Também é verdade que os filtros coloridos e as possibilidades tecnológicas dos anos 90 nos deram uma sensação de que tudo era permitido.

Mas essa barbicha... não.

Bônus: Reality, a capa

E que tal essa capa com o David bonequinho de franjão e olhos brilhantes? É de Reality, disco lançado em 2003, mais famoso por ter sido o disco da última tour de Bowie do que por qualquer uma de suas onze faixas.

Em matéria de tosqueira com cara de clip art, só perde pra essa do Prince.

Leia também

David Bowie do Dia
Série de posts sobre a vida e obra do artista, publicado em 2013 na MTV Brasil.

David Bowie chega a São Paulo
Entrevista com Geoffrey Marsh, curador da exposição David Bowie Is, publicada na Folha de São Paulo em 2013.

Five Things We Can Learn From David Bowie
Bowie e a fina arte de viajar. Em inglês para MatadorNetwork.