Prosa, Viagem

Como viajar com pouca bagagem

Tenho uma amiga que sempre viaja sempre com duas malas: uma com roupas e outra com sapatos e acessórios. Mais bagagem de mão, claro. Outra amiga leva uma mala pequena dentro de outra enorme, porque volta com garrafas de vinho e livros. E tenho um amigo que se vira com uma mochila para uma quinzena fora. Cada um viaja de um jeito e, tirando aquelas pessoas insuportáveis que entopem a cabine do avião com bicho de pelúcia gigante, não existe jeito errado.

Eu gosto de viajar com pouco. O essencial. O mínimo. Tudo bem que daquela vez que passei uns dias em Paraty levei uma jaqueta de nylon, dois chapéus, uma porção de bijuterias e lenços (?) e pelo menos três vestidos e tudo que usei foi shorts e camiseta. Mas posso me defender dizendo que estava viajando de carro e isso dava o direito de carregar o delírio que quisesse no porta-malas.

Quando cheguei no aeroporto de Trivandrum, sul da Índia, carregando apenas uma mochila azul e uma pequena mala com rodinhas, minha amiga Rutavi olhou e perguntou “cadê a bagagem?”. Respondi que era só aquilo e recebi um olhar incrédulo. Estava chegando do outro lado do mundo para passar um mês.

Mas foi o mistério em relação à viagem que exigia pouca bagagem. Não sabia se carregadores cuidariam das minhas coisas ao chegar em cidades distantes, ou se eu mesma levaria minha tralha pra cima de pra baixo do ônibus (foi uma mistura dos dois). Não sabia quanto tempo ficaria em cada lugar e nem que lugares seriam esses. Não sabia nem se ficaria em grupo o tempo todo – e se batesse a vontade de abandonar a galera depois de três dias e passar o resto do mês viajando sozinha de trem? Não queria me preocupar com o desfazer/fazer a mala a cada etapa da viagem e nem com me cansar da bagagem inútil.

As listas e os links abaixo ajudaram.

GaiaPassarelli Trivandrum Airport India

Eu e minha bagagem diminuta. Oê!

Viajando com pouca bagagem

A internet é uma biblioteca de macetes e dicas para fazer a mala direito, posts tipo ‘como fazer a mala perfeita’. Mas você até pode aprender os macetes da arte do packing com a mais esperta comissária de bordo do mundo, mas se estiver levando coisas demais, desculpa, não tem mágica certa, sua bagagem será um estorvo.

O conselho mais simples, portanto, é o mais valioso: viajar leve.

  • Pense que a quantidade de coisas que você precisa para um mês não é muito diferente da de uma semana.
  • Separe roupas que possam ser misturadas – uma mesma calça vai com várias blusas e tal.
  • Saiba de antemão como estará o tempo.
  • Compre um adaptador universal decente.
  • Prefira um e-reader aos livros de papel.
  • Limite a tecnologia: você precisa de e-reader, smartphone, computador laptop e tablet na praia?
  • Leve cosméticos e afins em pequenas embalagens. Ou deixe para usar os do hotel. Ou compre no destino e deixe por lá antes de voltar. Só não viaje com aquelas garrafas grandes de shampoo, condicionador, máscara, hidratante e etc.
  • Organize. Itens maiores e mais pesados vão embaixo. Primeiro porque vai ajudar sua mala a ter estabilidade quando estiver sobre as rodinhas; segundo porque você tem mais maleabilidade com os itens leves na hora de fechar.

Meu ‘setup’ é muito parecido com esse aqui: uma mochila pequena e uma mala resistente e pequena.

Gaia Passarelli Bagagem

Não é feitiçaria: é senso prático.

O que levar

É claro que o que faz sua mala é a necessidade, mas vou imitar aqui a lista da Janice Waugh, do blog SoloTraveler, já que minha bagagem é bem parecida com a dela (o link tem uma versão da lista para homens também).

O essencial

  • papelada: confirmação de hotel, dados dos voos e seguro viagem, passaporte (é uma boa fazer cópia de passaporte/visto/afins e manter separado dos originais, em caso de vc dar o azar de perder or originais)
  • adaptador de tomada
  • e-reader – Kindle, Kobo, iPad ou o que quer que você use
  • Caderno e caneta (pra quem escreve)
  • Computador e carregador
  • Telefone e carregador
  • Câmera e carregador
  • Cosméticos
  • Medicamentos e um pequeno kit de primeiros socorros

Roupas e acessórios (para mulheres)

  • Sapatos – pode variar conforme a necessidade da sua viagem, mas normalmente um par para andar nas ruas e um par para um jantar ou festa são suficientes. O mais importante: só leve sapatos que são comprovadamente confortáveis. E sempre um par de chinelos.
  • Calças – três pares ou dois pares e uma saia
  • Um vestido.
  • Partes de cima – cinco camisetas ou camisas, uma malha leve e uma regata que funcione tanto por baixo de roupas numa trilha quanto debaixo de uma jaqueta para um passeio.
  • Um cardigan ou jaqueta leve que possa ser usada com jeans/calça e acessórios.
  • Pashmina ou xale
  • Um cinto, bijuterias, maiô ou biquíni, echarpe, luvas, roupa impermeável, chapéu, um par de óculos de sol.
  • Roupa de dormir, roupa de baixo e meias (você pode/deve lavar durante a viagem, não tente levar um para cada dia)

E o que faço com compras?

Deixe para comprar por último e, se necessário, compre uma mala menor e barata para despachar a bagagem.

Conheço gente que manda pelo correio para casa se for ficar na estrada por muito tempo. Pra Índia levei pouca roupa e comprei o que precisava por lá: roupas leves de algodão, fáceis de lavar e que amassam pouco. Mesmo assim voltei com sáris, chás, temperos, braceletes e eticeteras, que foram direto do quarto do último hotel para a fila do check in dentro de uma sacola grande, resistente e barata.

Ah sim, os livros mandei para minha casa pelo correio.

Caixa Idiom BookSeller India

Joinha!

* Foto no destaque: Jessie Romaneix Gosselin / CC via flickr https://flic.kr/p/92wJGp