Índia, Prosa, Viagem

Entendendo (ou não) o Indian head shake

Pode ser um sim, um não, um talvez. Mas isso só para nós, westerners bobos, que não conseguem pegar as sutilezas desse impossível balançar de cabeça acompanhado de sorriso enigmático. Desse jeito  (essa gracinha no Instagram é minha amiga Roxanne Bamboat, que nasceu e mora em Mumbai, escreve sobre comida na Índia e é fabulosa, engraçada e inteligente, siga aqui).

Nesse mês minha relação com o “head wooble” foi da incompreensão para a aceitação, passando pela raivinha. Raivinha porque às vezes o head shake vem acompanhado de um discreto “yes” e é nada mais que uma forma de não dizer “no” ou “don’t know” ou “I don’t give a fuck”, que seria a resposta correta. Esse é um exemplo de diálogo real. Não foi o único, claro.

– Moço, o wifi não está funcionando.
– Sim. Wifi na recepção. [wobble]
– Estamos na recepção agora e o wifi não está funcionando.
– Sim. [wobble]
– Vocês vão arrumar?
– Sim. [sorriso bobo + wobble]
– Quando?
– [wobble]
– …

India Says Yes

Or does it?

Depois de aceitar que esse groove é inerente ao indiano, você pode começar a prestar atenção nas sutilezas do head wobble. Algo que deixarei para uma próxima viagem mas que esse vídeo do (ótimo) canal Meenfriedchikencurry tenta explicar. A dica veio do nosso produtor gente fina, Kenney Jacob.

* Estou no Kerala, sul da Índia, viajando com o #KeralaBlogExpress, para responder a pergunta “o que há para ver em Kerala”. Em abril voltamos com a programação normal. Enquanto isso, acompanhe pelo twitter/instagram/facebook