Prosa, São Paulo

Junho em São Paulo: melhor mês

Que mês, amigos paulistanos. Junho de 2015 foi um junho como nunca antes na história desse país.

Tá bem que junho já é legal sozinho. Tem festa junina, tem comida de festa junina, tem Dia dos Namorados. Tem céu azul quase o tempo todo e é quando começam aqueles poucos dias do ano em que dá pra usar casaco de verdade na rua.

Também tem feriadão de Corpus Christi. E protesto, claro. Mas protesto tem sempre. Ontem mesmo teve esse protesto espirituoso dos taxistas jogando ovo nos motoristas do Uber.

Relembrando:

A Virada Cultural de 2015 foi (atenção para o paulistanismo!) super legal. E não só porque teve Faust, Hermeto Pascoal e Moraes Moreira, mas porque foi a menos lotada e turbulenta em anos. E foi na Virada desse ano que Emicida e turma, vestidos de branco, mandaram essa real no palco.

Multidão para ver o show do Dexter no Viaduto do Chá. / Foto: Tulio Vidal, via flickr.

Multidão para ver o show do Dexter no Viaduto do Chá. / Foto: Tulio Vidal, via flickr.

Teve a Parada do Orgulho LGBT. Abraçada pela família brasileira, por grupos religiosos (Jesus Cura a Homofobia!), pela imprensa, pelos petralhas, pelos coxinhas. A Parada brilhou. A Parada é foda.

Mães, filhos e respeito. Paulo Pinto/Fotos Públicas.

Mães, filhos e respeito. Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas.

Teve o Junho Vermelho, que não tem nada a ver nem com ciclovia nem com o PT. É uma campanha de doação de sangue que acontece em todo o país e acabou hoje. Mas você pode doar independente do mês ter acabado, tá? Aqui uma lista de postos em toda a cidade e aqui os requisitos para doação.

Teve o Johnny Marr tocando/cantando Smiths no Memorial, no mesmo palco em que a Gaby Amarantos cantou Queen. Teve um monte de festas juninas na cidade, como a Batata Quente no Largo da Batata. Teve o 1º Dia das Pessoas que Levam Plantas para Passear no Minhocão, porque São Paulo é mais maravilhosa quando é nonsense. Teve esse cara vestido de Predador pedindo “apoio à arte” na frente da árvore derrubada na Praça da República.

E no último fim-de-semana do mês, teve a inauguração da Ciclovia da Paulista \o/ que abriu a avenida icônica da cidade para bicis, skates, cadeiras de rodas, pessoas e bagunça. Uma conquista importante da cidade.

As ruas são para todos!

A photo posted by Ana Carol Thomé (@anak_thome) on


Junho foi tão foda que é capaz que julho seja ainda melhor. Afinal, o mês sete começa com a abertura do Parque Augusta.

* Foto do destaque: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO