Índia, Prosa, Viagem

Kerala Blog Express: Trivandrum

Esses dois primeiros dias de KeralaBlogExpress foram  corridos, com visitas aos resorts de tratamentos Ayurveda (excelente resposta para a pergunta “mas o que tem pra fazer no Sul da Índia?”) e uma mudança de hotel – deixamos a bela paisagem e traslados de barco do Estuary Island, em Poovar, para o ultra-confortável Taj em Kovalam.

Kovalam é ‘onde tudo começou’, ouvi ontem no ônibus. Por ‘tudo’ entenda pólo turístico próximo ao aeroporto internacional (o de Trivandrum) ao redor de uma bela sequência de praias de areia fina e ondas fortes. Kovalam pode ter ostentado uma vibe mochileira no passado, mas o tipo de turismo que o balneário promove agora é outro, com resorts caros como o Leela (que nos emprestou seu espaçoso terraço para uma apreciação do pôr-do-sol).

O Taj representa bem esse clima. Tem spa, chalés de madeira e vidro no meio da mata nativa, uma piscina com fundo infinito, pequenos jacuzzi escondidos entre trilhas e um spa cheio de tratamentos agradabilíssimos. O restaurante na beira do mar, por exemplo, é o mais bem-resenhado entre todos os restaurantes do Kerala no TripAdvisor. Sem contar que cada vez que eu saio do quatro pra alguma coisa, tem um novo presente me esperando na volta – chocolates, frutas frescas, kit de spices da região.

 

Taj Vivanta Kovalan Kerala India

Piscina do Taj Kovalam no fim da tarde. No filter!

Eu sei, eu sei… mas antes de aproveitar um pouco disso, tive mais uma tarde de caminhada pela cidade quente, barulhenta, cheia e nervosa que é Thiruvananthapuram – o nome oficial de Trivandrum City.

Me separei do grupo quando oram visitar um lugar que já conheci o Palácio Padmanabhapuram, que eu já tinha visto. Parei para tomar café na Indian Coffee House, antiga rede de cafeteria que se tornou cooperativa e é gerida pelos próprios empregados. Não foi uma escolha qualquer: o ICF é uma rede tradicional e a loja que fica nos arredores da estação ferroviária tem uma arquitetura bem peculiar.

Não é o lugar ideal para quem quer tomar um café e escrever tranquilamente, que é exatamente o que eu queria para a minha tarde livre. Daí o plano mudou. Caminhei até o Chalai Bazar, antiga rua comercial que acaba na frente do mesmo East Fort onde estive há alguns dias e onde fica o templo Sri Padmanabhaswamy.

Vendedor de guirlandas na área do Sri Padmanabhaswamy.

Vendedor de guirlandas na área do Sri Padmanabhaswamy.

 

Coração espiritual de Trivandrum, esse templo tem uma história interessante: é atualmente o mais rico de toda Índia. Há uns dois ou três anos as quatro salas de tesouros existentes foram abertas e o que há lá dentro (posse da família real do Kerala, chamada Travancore) é, a princípio, incalculável. São séculos de tesouros dados em forma de oferendas e homenagens aos deuses do templo e guardados pela família real. Que foi bastante bem-sucedida, considerando que os ingleses não colocaram as mãos no que dizem ser três salas lotadas de moedas antigas, ouro, diamantes, pedras preciosas, estátuas, seda e afins. Há ainda uma quarta sala, fechada. De acordo com uma lenda digna de filme do Indiana Jones, elas seria guardada por serpentes venenosas.

 

Sri Padmanabhaswamy, em Thiruvananthapuram.

Sri Padmanabhaswamy, em Thiruvananthapuram, o maior templo do Kerala e, dizem, o mais rico da Índia.

Existe uma polêmica sobre o que deve ser feito com essa fortuna – que é da família real, portanto pública. Uma vertente quer que seja dividido em três partes: uma para caridade, uma para a manutenção do próprio templo, outra fica guardada. Escolha que parece sensata mas, como tudo mais na Índia, é capaz dessa decisão demorar muitos e muitos anos. Sem pressa – afinal, eles já estavam aqui há cinco mil anos. Só pra exemplificar: esse templo é tão antigo que não tem data de construção.

 

Mulheres preparando criança para visita ao templo

Mulheres preparando criança para visita ao templo Sri Padmanabhaswamy, em Thiruvananthapuram. Não hindus não podem entrar em nenhum templo do Kerala.

* Estou viajando pelo sul da Índia a convite do KeralaTourism. Você pode acompanhar aqui no blog e no twitter/facebook/instagram/etc.