Livro

Viajando em livros, pt 3

portlandia

Os livros dessa semana mostram como a literatura de viagem é ampla. Tem livro-reportagem, narrativas da vida nas ruas, coletânea de pensamentos, segredos literários e um des-guia de viagem. Vai lá.

Outras dicas de literatura de viagem
Roteiros Literários: Itália
On the Map: uma breve história de como vemos o mundo
Como irritar um livreiro

Jack London, The Road

Um dos grandes escritores norte-americanos também é um dos principais nomes da literatura de viagem em qualquer tempo ou local. Entre muitas coisas, London escreveu sobre sua São Francisco, sobre a vida dos miseráveis londrinos, sobre a corrida do ouro no Alaska e sobre pescadores de pérolas no Pacífico. São tantos livros, contos e reportagens que parece difícil que ele tenha morrido com apenas 40 anos. The Road (o nome é sugestivo) é uma ode ao sentimento de wanderlust, a vontade de cair na estrada, e um relato sem maquiagem do tempo que o escritor passou vagabundeando nos Estados Unidos, subindo escondido em trens na calada da noite. Em português chama A Estrada ou Vagabundos Cruzando a Noite.

Rotas Literárias de São Paulo

As Rotas Literárias de São Paulo são 21 passeios que contam a história da cidade do ponto de vista de escritores e leitores. Tem os locais esperados (Museu da Língua Portuguesa, Oficina da Palavra, Biblioteca Mario de Andrade) e outros nem tanto (Cemitério da Consolação, Teatro Municipal). A Livraria da Vila da Alameda Lorena, o Sebo Brandão ou a Mercaria São Pedro? Tão lá também.  É um livrão de 300 páginas, com muito mais texto que fotos, registro da herança literária da cidade.

Alain de Botton, The Art of Travel

Para compreender o allure de viajar. Para viajar dentro da própria sala. Para matar a vontade de viajar quando não dá. Dividido em cinco partes (partida, motivação, paisagem, arte e retorno) The Art of Travel pode tranquilamente morar na cabeceira de qualquer viajante. Usando filosofia, curiosidades e história, de Botton responde perguntas eternas, que às vezes tem respostas vagas, mas que todos nós já fizemos – por que viajar? o que ver? como viajar melhor?

John Krakauer, Into Thin Air

Krakauer é mais conhecido por Into the Wild, o livro-reportagem sobre Alexander Supertramp que virou o blockbuster Na Natureza Selvagem. Essa é outra grande reportagem do escritor, e um dos grandes relatos de aventura de todos os tempos. mas aqui ele é tanto testemunha quanto protagonista. Publicado originalmente em partes na Outside Magazine, Into Thin Air: A Personal Account of the Mt. Everest Disaster (que também virou filme, chama Morte no Everest) conta a história horrorosa da temporada de escalada de 1996 no Everest, quando oito alpinistas, incluindo lendas do esporte, morreram com a chegada de uma tempestade. O livro pode te fazer começar a treinar já para o projeto Himalaia 2017. Ou te dar certeza de que escalar picos na zona da morte (acima de 8.000 metros de altitude) não é a sua. Tô no segundo grupo. Em português chama No Ar Rarefeito.

Fred Armisen e Carrie Browstein, Portlandia: A Guide to Visitors

Lançado em 2012, Portlandia: A Guide for Visitors é uma experiência de des-guia de viagem. Tem uma carta da população dizendo porque você não precisa visitar Portlandia. Tem locais e pessoas que não existem, regras de convivência impossíveis, dicas de escolas duvidosas de educação infantil. Ainda assim, é essencialmente sobre Portland. Tanto que a loja de light bulbs de Northeast Portland está lá, mesmo. Mas o Voodoo Doughnuts, não. Too mainstream.

* o How to Travel Light recebe uma comissão por venda a partir dos links nesse post, mas isso não altera o preço para você :)

** MAIS **

Mailing do How to Travel Light: uma vez por mês, de graça, só com os posts mais legais -> clique aqui e não perca nenhum!