Livro

Livro: Paul Theroux – The Tao of Travel

Paul Theroux foi o primeiro escritor que me fez querer viajar. Isso foi há uns 15 anos (não conta pra ninguém) quando comprei seu Até O Fim Do Mundo numa livraria qualquer, sem saber do que se tratava. Cheguei em casa e li numa sentada. Genial na descrição de lugares e sempre crítico na observação de pessoas e costumes, Theroux, hoje com 73 anos, é frequentemente citado entre os grandes escritores de viagem do século XX.

Para chegar no pódio do gênero, o escritor teve algumas coisas a seu favor – como o passaporte norte-americano, o gosto pela solidão, a capacidade de se ausentar de casa e de aguentar perrengues por longos períodos. O timing também foi certeiro. Entre os anos 1960-2000 Theroux viajou, sempre por terra, em cantos da China, Somália ou Vietnã, registrando um mundo prestes a desaparecer, num ritmo e isolamento que agora talvez não seja mais possível. Essas viagens o permitiram conhecer, observar e analisar. Dá pra acusar seus livros de serem demasiado extensos, ranzinzas ou opinativos – mas nunca superficiais.

Paul Theroux in a train

“Viajar é de trem; tudo o mais, principalmente avião, é transporte – sua viagem começa quando o avião pousa”.

É um escritor difícil de imitar, mas isso não impede que sirva de inspiração para jovens escritores de viagem mundo afora. Sua viagem de trem da Europa até o Sudeste Asiático com volta pelo Expresso Transiberiano, narrada em O Grande Bazar Ferroviário é o modelo de relato do viajante solitário, inteligente e observador.

Aspirantes e aprendizes tem muito a aprender com ele, é claro. Mas melhor do que ler uma lista de “dez dicas para quem quer ser travel writer” (tem uma aqui) é poder ler o que ele leu.

Daí essa dica de livro.

Paul Theroux: The Tao of Travel. Uma seleção do melhor da literatura de viagem mundial por um cara que faz parte do clube.

“No processo de escrever The Tao of Travel encontrei mais de 300 livros dignos de menção. É por isso que acabei compilando essa antologia pessoal de livros de viagem.”

É uma oportunidade para Theroux prestar homenagem aos escritores e escritoras, de viagem ou não, que o influenciaram, como Mark Twain, Isak Dinesen, Bruce Chatwin, Freya Stark e Graham Greene. Também inclui trechos do próprio, que fala sobre sua preferência por viagens de trem e sobre o tempo em que morou na África na década de 1960.

Com tratamento de antologia, The Tao of Travel: Enlightenments from Lives on the Road saiu em 2011, como comemoração aos 50 anos de carreira de Theroux. É uma mistura de guia filosófico, análise literária e livro de memórias dividida em capítulos como “The Contents of Travelers’ Bags” e “Writers Who Wrote about Places They Never Visited”.

* o How to Travel Light recebe uma comissão por venda a partir dos links nesse post, mas isso não altera o preço para você :)