Inglaterra, Música, Viagem

Livros e exposição em Londres comemoram David Bowie

[original aqui]

LIVROS E EXPOSIÇÃO NO VICTORIA & ALBERT, EM LONDRES, COMEMORAM DAVID BOWIE

Postado Gaia Passarelli // Londresexposiçãodavid bowielivros

Num país que tem Beatles e Stones no pódio de artistas mais populares de todos os tempos, sobram motivos para celebrar David Robert Jones, que todos conhecemos como David Bowie.

O clichê do “camaleão do rock” ainda serve, mas aos 65 anos, cinquenta de carreira artística, Bowie é muito mais que isso: músico, ator, produtor, colecionador de arte, marido da Iman, um dos performers mais provocadores do século. Ele é inspiração pra todo mundo que veio depois. Madonna e Lady Gaga são os exemplos mais óbvios, mas não haveria Michael Jackson ou Prince ou os excessos estéticos do punk ou as turnês mirabolantes do U2. Em resumo: Bowie é foda.

As comemorações de cinquenta anos de carreira de Bowie dificilmente vão contar com uma tour ou novo disco. Vivendo há duas décadas em Nova York, ele desmente ano sim e outro também os boatos de shows no Coachella, não aparece na imprensa, negou aparição no encerramento das Olimpíadas e, dizem, tem pouco contato com os amigos e colegas. Mas aqui no Reino Unido, de onde escrevo hoje, vários livros publicados e uma mostra de seus figurinos, instrumentos, fotos e objetos celebram sua vida e obra.

A exposição David Bowie está programada para acontecer entre março e julho de 2013 no bacana Victoria & Albert Museum, em Londres. Um acontecimento e tanto para fãs e programa imperdível pra qualquer interessado em música que esteja passando pela Inglaterra. A mostra vai exibir instrumentos e roupas que Bowie usou ao longo de seus produtivos cinquenta anos de carreira e também desenhos, letras de músicas escritas à mão, fotografias e capas de discos.


Uma das roupas exibidas na mostra

O semanário NME veio com pôster dele encartado na semana passada e, nas andanças por aqui, tenho visto em todas as livrarias e em muitas lojas de discos uma porção de livros dedicados ao artista. Separei três que, confesso, ainda não li. Mas vale a dica. Bowie pode estar recluso, mas sua obra está mais disponível do que nunca para ser admirada e analisada.

Bowie in Berlin: A New Career in a New Town‘ desfia detalhes sobre os três anos que Bowie passou na capital alemã. A fase é considerada por muita gente como a mais brilhante da carreira dele, mas nem sempre é a mais fácil. A famosa trilogia de discos gravados em Berlim (‘Low’, ‘Heroes’ e ‘Lodger’, mas apenas o segundo foi realmente gravado em Berlim) tem influência de Kraftwerk e kraut-rock, parceria com Iggy Pop e tons experimentais e cinzentos.

A biografia ‘The Man Who Sold the World – David Bowie and the 1970s’, de Peter Doggett, foi dica do Andre Barcinski nesse ótimo post aqui e analisa a carreira de Bowie durante a década de setenta, analisando sua obra e acontecimentos do turbulento período.

Por fim ‘David Bowie Style‘ oferece um guia fotográfico das muitas fases do camaleão ao longo da carreira. Saiu em outubro desse ano e tem cerca de 120 páginas, com fotos fantásticas e análises de figurinos icônicos como da tour Ziggy Stardust mas também de fases menos abusadas. Lançado esse ano, vem até 2012 – fase Bowie caminhando de moleton, óculos escuros e calça jeans em Nova York.