São Paulo

Museus de São Paulo para visitar já

Esse será um post em três partes. Deixe sua sugestão de museus de São Paulo aí nos comentários.

A  tragédia do Museu Nacional no Rio de Janeiro virou mote para todo tipo de discussão e dedo na cara. Uma delas é a que joga nas costas do público o descaso com o museu. Mas um museu não se presta só à visitação pública, ainda que essa seja uma parte óbvia e importante do rolê. Museu tem a função essencial de armazenar o passado e o presente para futuras gerações. Um museu da magnitude do Nacional (veja lista do que estava lá) queimou justamente por sua incapacidade de cumprir essa função com segurança e isso não é culpa do público: é culpa do estado.

A discussão, contudo, serve para se prestar mais atenção ao nosso entorno. Desde segunda-feira há listas de diferentes  de museus brasileiros (veja essa no Buzzfeed e aproveite e responda: quantos museus brasileiros você já visitou?) e pensando nisso lancei no twitter uma pergunta sobre museus de São Paulo. Abaixo você vê algumas respostas, mas antes quero dizer que tenho nada contra a Pina ou o MASP, pelo contrário, moro atrás do MASP e visito a Pina todo semestre. Esses são os mais frequentados (e, sim, estão sempre cheios) e conhecidos, cartões-postal da cidade. Inclusive o MASP anda precisando de ajuda – você sabia que com apenas $160 você garante um ano de entrada gratuita, desconto na lojinha e no restaurante do museu? E nossa belíssima (e muito visitada) Pinacoteca também tem um programa parecido.

Abaixo, algumas idéias do país Twitter pra pessoa acometida da súbita ânsia por visitar um dos museus de São Paulo mas não sabe onde ir. Depois disso, seis dos meus preferidos. Nesse Sete de Setembro espante a preguiça e vai lá.

 

Coleção Brasiliana Itaú Cultural

Algumas das centenas de gravuras de fauna e flora que ocupam as paredes do Espaço Olavo Setúbal, na Avenida Paulista. A coleção conta com mapas raros, pinturas que registram locais e costumes, publicações e documentos históricos e conta cinco séculos de história do Brasil. Foto: divulgação.

“Brasiliana” é o nome que se dá a uma coleção, pessoal ou institucional, que tenha por tema especificamente o Brasil. A Brasiliana do Itaú Cultural reúne obras do maior acervo de uma companhia privada da América Latina, dispostas em dois andares no prédio do Itaú Cultural na Avenida Paulista. É gratuito, basta subir o elevador para o quarto andar. 

Itaú Cultural, Espaço Olavo Setúbal
Avenida Paulista, 149, Pisos 4 e 5
Terça a sexta das 9h às 20h
Sábados, domingos e feriados das  11h às 20h
gratuito

Museu da Imigração

Parte do acervo do museu trata do cotidiano da Hospedaria de Imigrantes do Brás e como os imigrantes formaram o estado e a cidade de São Paulo.

Visitado tanto por excursões escolares quanto por gente à procura de detalhes sobre suas raízes, o Museu da Imigração do Estado de São Paulo é herdeiro do Memorial do Imigrante e guarda a memória das pessoas chegadas ao país pela Hospedaria de Imigrantes, na Zona Leste paulistana. Além do arquivo digitalizado com nomes e documentos daqueles que chegavam ao Brasil, tem exposições regulares que buscam mostrar quem são e como viviam as diferentes comunidades que formam a cidade e o Estado de São Paulo.

Museu da Imigração
Rua Visconde de Parnaíba, 1316
Terça a sábado das 9h às 17h
Domingo das 10h às 17h
R$10 (inteira) e R$5 (meia-entrada)
Dia de gratuidade: sábados

Memorial da Resistência

Ocupando o prédio que abrigou o Departamento Estadual de Ordem Política e Social (DEOPS) ao lado da Estação Julio Prestes no centro de São Paulo, o Memorial trata dos regimes autoritários do Brasil republicano. A escolha do local é simbólica: os porões do DEOPS, tanto no período do Estado Novo quanto da Ditadura Civil-Militar, foram usados como local de aprisionamento e tortura. A foto do destaque mostra uma das celas e em algumas você pode ouvir depoimentos de presos e presas do período. Não é um passeio fácil, mas é um espaço que todo brasileiro deveria visitar. Memória é resistência.

Memorial da Resistência de São Paulo
Largo General Osório, 66
De quarta a segunda (fechado às terças) das 10h00 às 17h30
gratuito

Museu Afro Brasil

Sala “Trabalho e Escravidão”, um dos recortes usados para tratar da presença e cultura africana e afro-brasileira.

Com mais de seis mil obras como pinturas, esculturas, gravuras e fotografias, além de documentos e peças etnológicas, o Museu Afro Brasil tem no acervo trabalho de artistas brasileiros e estrangeiros produzidos desde século XVIII até hoje. O enorme espaço de 11 mil metros quadrados é dividido em áreas que abordam diferentes aspectos e temas relacionados à história e cultura afro-brasileira: religião, trabalho, arte, escravidão, entre outros.  O Programa de Sócios é uma das formas de ajudar o espaço, que tem dificuldade em se manter. No momento há algumas exposições temporárias, incluindo “Isso É Coisa de Preto – 130 Anos da Abolição da Escravidão” que destaca a presença negra na arte, história e memória brasileiras.

Museu Afro Brasil
Avenida Pedro Álvares Cabral, Portão 10 (Parque do Ibirapuera)
Diariamente das 10h às 17h (fecha nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 01 de janeiro)
gratuito

Museu de Arte Sacra

Detalhe de obra exposta no museu. Foto: Augusto Gomes via Flickr com licença Creative Commons.

Um dos museus de São Paulo localizados no entorno da Estação da Luz (falei sobre outros nesse post) o Museu de Arte Sacra existe desde 1970 e ocupa parte do Mosteiro de Nossa Senhora da Imaculada Conceição da Luz. Com a missão de “recolher, classificar, catalogar e expor convenientemente objetos religiosos cujo valor estético ou histórico” foi formado pelo esforço do primeiro arcebispo de São Paulo, que no começo do século passado passou a buscar imagens de igrejas e pequenas capelas de fazendas que seriam demolidas após a proclamação da República.

Museu de Arte Sacra de São Paulo
Avenida Tiradentes, 676
De terça a domingo das 09h às 17h
gratuito
Estacionamento gratuito: Rua Jorge Miranda, 43

SESCs

Área de convivência do SESC Pompéia, projeto da arquiteta ítalo-paulistana Lina Bo Bardi. Foto: Maruz Lanz via Portal Sesc/Flickr com licença Creative Commens

Eu tô usando como desculpa para falar da ótima exposição “O Outro Trans-Atlântico: arte ótica e cinética no Leste Europeu e América Latina entre os anos 19500-70” que está em cartaz na unidade que fica próxima ao Largo da Batata e metrô Faria Lima, mas a real é que várias unidades do Sesc paulista, como Pompéia (foto), Belenzinho e a recém reaberta na Avenida Paulista tem excelente programação voltada à arte. As unidades tem horários e programações independentes, mas a maior parte estão abertas de terça a domingo e as exposições costumam ser gratuitas.

Catavento Cultural

O antigo Palácio das Indústrias já foi sede de Prefeitura durante a gestão do Celso Pitta (lembra desse?) e hoje abriga um excelente museu de ciências voltado para crianças. Foto: vitormarigo via Shutterstock.

Um dos museus de São Paulo mais legais para ir com crianças, o Espaço Cultural Catavento é dividido em quatro áreas: (Universo, Vida, Engenho e Sociedade) e é indicado para crianças a partir de sete anos. Tem aquário marinho, parte de meteorito, trens antigos conservados, explicações sobre o universo e o sistema solar, borboletário, explicações sobre o corpo humano – enfim, mil coisas, sempre explicadas com clareza e dispostas em um espaço bonito e bem montado. É impossível ver tudo em um dia, mas dá para voltar várias vezes conforme os interesses das crianças vão mudando.

Museu Catavento
Av Mercúrio, s/n – Pq Dom Pedro II
Gratuidade: terças-feiras
De terça a domingo, com entrada das 9h às 16h (permanência no museu até às 17h)

Leia também:

Roteiro: como conhecer o centro de São Paulo