No que estou trabalhando agora?

    Essa #NowPage existe para contar rapidamente em quais projetos estou trabalhando agora. Para saber mais sobre mim, siga esse link. // atualização 09/2018.

    Caio Fernando Abreu na Hysteria

    Às vezes eu me pego em longos períodos sem escrever nada. Melhor dizendo, até escrevo as coisas que escrevo para pagar boletos: posts anônimos, listas de coisas a fazer, traduções sobre novas atrações turísticas. Mas escrever, escrever mesmo, é outra coisa – e ficar sem escrever nunca tem jeito de férias. Pelo contrário, é sempre meio triste e acontece por falta de tempo, por excesso de redes sociais, por um tipo de preguiça que parece doença. Em vez de acumular, o assunto dentro de mim vai morrendo porque dona inspiração é uma madame caprichosa e se você não dá atenção ela deixa de te frequentar. Inspiração dá trabalho, você tem que cuidar, mimar, agradar.

    [continua aqui]

     

    Setembro/outubro: oficina de histórias de viagem

    A sétima edição do meu curso para escrever mais/melhor sobre suas próprias viagens acontece entre 18 de setembro e 02 de outubro. Informacões nesse link. Para inspirar aqui vão dois exemplos de textos de alunas: uma carta de amor para Buenos Aires por Thais Martinho e uma aventura em São Tomé e Príncipe por Kathrin Lazo

    Oficina de Criação de Contos de Viagem com Gaía Passarelli

    Coisas que você precisa para escrever um conto de viagem: lembranças, histórias e, de preferência, ter viajado. Café ou chá também ajudam.

    No Medium Brasil

    Não tem muito tempo passei por uma notícia que impressionou pela ousadia do esquema: grãos de arroz vindos da China seriam feitos de plástico. Que doidera pensar que o plástico se tornou tão disponível e barato que agora custa menos que um grão de arroz. Não tenho certeza de qual a explicação, mas se é o dinheiro que move tudo a única motivação para alguém vender plástico no lugar de arroz é ter algum lucro, certo? Ou os grãos de arroz de plástico são algum tipo de pegadinha especialmente cruel? Comentei com uma amiga e ela me alertou que, como no caso dos ovos de plástico, capaz de ser mentira, boato, factóide. “Fake news”, como manda o vocabulário atual. [Continua aqui]

    não é de verdade, mas e daí?

     

    Guia de Oaxaca para ChickenOrPasta

    Oaxaca, capital do estado mexicano de mesmo nome, é uma cidade eclética onde as tradições das diferentes regiões do estado, que concentra a maior parte das etnias indígenas mexicanas, se encontram e misturam.

    É também uma cidade elétrica, onde as comedorias tradicionais das ruas e mercados convivem com restaurantes novidadeiros de jovens chefe locais, a sabedoria ancestral da produção de mezcal é apreciada em mezcalerias de tons moderninhos e uma nova geração de expatriados empreendedores tornam galerias de arte e cafés parte da paisagem. Oaxaca é uma cidade com tradição de festas de rua, ideal para visitar durante Carnaval, Semana Santa ou no Dia dos Mortos. As festividades acontecem sempre nas ruas ao redor das duas praças principais da cidade, Santo Domingo, onde está a igreja-símbolo da cidade, e o Zócalo, coração da cidade, onde acontecem de apresentações de danças escolares a protestos políticos.

    Na real Oaxaca é uma boa o ano todo: tem bons museus, um centro histórico tombado como Patrimônio Mundial da Unesco, igrejas centenárias construídas sobre templos pré-hispânicos e todo tipo de artesanato original e colorido mexicano. E é uma cidade para comer, comer muito, o céu para foodies latinos, vegetarianos ou carnívoros, que vêm de todo canto para provar a rica, colorida e saborosa comida oaxaqueña que, dizem, é a melhor do país.

    [continua aqui]

    Tapeçarias de Teotitlán numa cooperativa de tecelões no centro de Oaxaca, fica na frente da Plaza Santo Domingo. Pechinchar é permitido, mas não é um hábito e nem sempre é entendido.

    Tapeçarias de Teotitlán numa cooperativa de tecelões no centro de Oaxaca, fica na frente da Plaza Santo Domingo. Pechinchar é permitido, mas não é um hábito e nem sempre é entendido.

     

    Guia de hostels de São Paulo para o Hostelworld

    Maior cidade da América e uma das maiores do mundo, São Paulo não é muito fácil de navegar e pode assustar quem a visita pela primeira vez. Mas também é uma cidade enérgica, eclética e apaixonante, além de ser ponto de passagem para quem vem ou vai para outras lugares do Brasil – os aeroportos de Congonhas (doméstico) e Cumbica (internacional) são hub das principais companhias aéreas que voam pelo país. São Paulo tem tanta opção que é difícil escolher onde ficar. Mas a gente te ajuda, e no guia abaixo você vai encontrar cinco dos melhores bairros para ter como base ao visitar a cidade, com sugestões dos hostels preferidos dos usuários Hostelworld em cada área.

    [continua aqui]

     

    Óbidos para Viagem&Turismo

    SP24hrs: Lina Café

    Pra uma avenida que é considerada coração e alma de cidade tão ligada ao café como São Paulo, a Paulista bem que estava devendo uma boa cafeteria. Essa falha acaba de ser corrigida com a chegada da Lina Café, que fica no alto da escadaria da Gazeta. Leia aqui.


    Crônica: Onde Você Estava Quando o Brasil Perdeu de 7×1?

    Eu estava na Ilha de Páscoa, o que é sempre legal para começar uma conversa. No geral as pessoas sabem nada sobre a ilha. Conhecem de livros ou do Instagram as estátuas de cabeças gigantes chamadas moai mas não sabem, por exemplo, que a Ilha de Páscoa fica no meio do caminho entre a costa do Chile e a Polinésia e é uma das ilhas habitadas mais isoladas do mundo. Que a cultura/etnia/língua local chama rapanui. Que durante muito tempo a ilha foi propriedade de uma companhia européia que criava ovelhas e por isso há muros de pedra escoceses num cenário de ilha do Oceano Pacífico. Que as pedras usadas para fazer os murinhos foram arrancadas dos altares dos moai e muito da historia rapanui foi perdida por essa falta de cuidado do homem branco. Não sabem que a comida da ilha é sopa de mariscos e empanada de atum nem que os moai (pasme!) tem corpo ou que alguns estão no fundo do mar. Não sabem que em julho a ilha fica vazia de turistas. (continua)

     


    ChickenOrPasta: The Moth

    Escrevi sobre um dos livros mais legais que chegou até mim esse ano: a coletânea “Tudo Que é Belo: 45 Histórias Reais” do coletivo The Moth. É um livro inspirador, emocionante e que ensina muito para quem trabalha dentro da não-ficção. Conheça aqui.

     


    Junho/2018

    Entrevista Naomi Wolf na Marie Claire de junho

    Aproveitando o gancho do relançamento de “O Mito da Beleza” no Brasil (pela Rosa dos Tentos) conversei com a Naomi Wolf, escritora e jornalista, autora de sete best sellers do NYT, sobre o atual estado do feminismo no mundo. Já está nas bancas.

     

     


    Revista InPortoBay

    Um comparativo Portugal/Brasil para a revista da cidade do Porto (uma das minhas preferidas no mundo). Leia aqui.

     

     


    Latinas na Elle Brasil

    Tá maravilhosa a edição comemorativa de 30 anos da Elle Brasil – aliás, já parou para notar como as revistas femininas brasileiras estão bem boas? Sinal dos tempos! A edição de maio tem a Isabeli Fontana em quatro capaz diferentes e está nas bancas. Tem uma reportagem minha sobre a nova música latina com entrevistas com a Kali Uchis, o J Balvin e o Miranda (foi a última entrevista dele antes de morrer).