Brasil, Viagem

Belo Horizonte: Pampulha

useu de Arte da Pampulha por Paulo Nabas via Shutterstock.

A gente sempre esbarra em clichês do tipo “tem que ver” em viagens e o Conjunto Moderno da Pampulha é um desses em Belo Horizonte. Patrimônio Mundial da UNESCO, o complexo foi criado pelo então prefeito de Belo Horizonte Juscelino Kubistchek como um bairro jardim, com prédios públicos e um lago artificial para serem usados pela população.

Nesse post aqui falei sobre a minha surpresa ao ver o tanto de coisa legal tem pra ver e fazer em Belo Horizonte mas a Pampulha ganhou post próprio por ser um destaque da viagem. Foi totalmente inédito — eu já conhecia BH, mas nenhum amigo nunca tinha me levado para ver o conjunto arquitetônico, primeira parceria entre Kubitschek e um então novo e talentoso arquiteto chamado Oscar Niemeyer. O resultado é um conjunto que é um marco vivo da arquitetura mundial e parte da história do Brasil. Pampulha é agradável de visitar e bonito de ver mas também é uma aulinha de história: foi um ensaio para o que veio a ser Brasília.

“É considerado meio programa de velho,” disse Neuma, a guia/historiadora da Belotur que me levou. Dá pra entender: a Pampulha é toda plana, arborizada, fresca, fácil de chegar e circular. Mas muita gente usa o parque como lugar para encontros e piqueniques nos finais de semana. E há o lago, a coisa mais próxima que os belo-horizontinos tem do mar.

Dá pra ir sozinha? Claro. É uma viagem curta, cerca de meia hora de carro da Savassi ou usando o Move, o sistema de transporte terrestre de BH. Agora, se você quer entender o que está vendo, é sempre legal ter um guia por perto. Contate a Belotur ou um roteiro específico de arquitetura (indico nesse post).

 

Veja também

Fui Sozinha: Belo Horizonte

Importante