Inglaterra, Portfólio, Prosa, Viagem

Comendo curry em Brick Lane [ViajanteCI]

[publicado em 23/10/2012]

E, realmente, poucas coisas são mais características desse turismo étnico que Londres oferece com tanto fervor. A imagem da London Tower e London Bridge pode facilmente ser substituída por uma de prédios de tijolos cobertos por fog e neons que anunciam “balti”, “tandoori”, “masala”, “halva”, “kebab” e afins.

Certamente cada visitante frequente ou morador tem seu prato e restaurante preferido. É difícil escolher onde ir no meio de tantas opções. E é fácil colocar tudo dentro do mesmo pacote “comida asiática picante”, mas nada poderia estar mais longe da verdade. Cada restaurante e cardápio tem suas suas raízes étnicas e familiares e, acredite, você pode passar a vida experimentando pratos diferentes e nunca repetir o mesmo sabor.

“Curry” é um termo bem elástico, que define de forma bem abrangente uma mistura de temperos usados em cozidos da Índia, Paquistão, Bangladesh, Tailândia e outros países asiáticos. É extremamente popular na Europa e no Japão e pode ser feito com qualquer tipo de carne animal, frutos do mar, vegetais, frutas. São normalmente coloridos e nem sempre picantes.

Nas curry houses de Brick Lane, no coração de Banglatown, você vai achar todas essas combinações, de diferentes etnias e com nomes variados. O pão fininho chamado naan ou arroz branco são os acompanhamentos mais comuns.

Na tentativa de vencer a concorrência, cada salão e cozinha tem seus prêmios para exibir: “melhor chef no Curry Masters 2010”, “melhor curry no Spicy Awards 2012”, “campeão do Curry Town 2012”, “troféu Ethical Good Food 2011” e por aí vai.

Os restaurantes não deixam por menos na hora de conquistar um novo cliente. O porteiro nem sempre simpático de prontidão na entrada espera por aquele casal sueco que olha o cardápio da vitrine tentando decidir onde comer e praticamente o empurra pra dentro – a cidade tentou baixar uma lei contra isso. Não caia nessa: ignore e continue andando. A experiência também diz que nem sempre o mais barato vale a pena. Na dúvida, vá pela tradição: o confiável blog sobre os segredos do East Side londrino Spitafields Life fez esse simpático retrato da Sweet & Spicy, que está na área desde os anos 60.

Foto: SpitafieldsLife

Se a ocasião da visita não permitir uma refeição mas pedir um snack, tudo bem: você pode escolher um dos deliciosos bagels do Bagel Bake, no extremo da rua perto de Bethnal Green. Ou uma samosa (pastel indiano muitas vezes com recheio vegetariano) e um doce misterioso chamado gulab jamum (bolinho frito feito com leite e especiarias) numa das muitas casas de snacks que você também encontra na rua.

Mas, acredite, não tem segredo: confie no seu espírito de aventura, escolha um e vá em frente.